ESCADARIA MIRTHES BERNARDES


Essa é a escadaria Mirthes Bernardes, em Pinheiros, na junção das ruas Joaquim Antunes e Teodoro Sampaio. Uma homenagem em vida, feita pelo grupo @mosaicopaulista e a @amjajoaquimantunes.

Mirthes também foi homenageada em vida, na exposição de inauguração do SESC 24 de Maio, com uma instalação que continha as lajotas do piso e uma foto da artista.


Contudo, a morte de Mirthes Bernardes, na última sexta (18.12.2020), revelou o quanto somos uma cidade sem memória e como desconhecemos nossa própria história.

Até o momento, pouquíssimos grandes veículos de comunicação, noticiaram a perda de Mirthes. Ela que criou o “Piso Paulista”, o desenho da calçada de São Paulo, buscou durante toda vida reconhecimento por sua obra, inclusive financeiro, já que patenteou sua criação e nunca conseguiu receber do governo ou da iniciativa privada. São incontáveis as grandes empresas que utilizaram o padrão criado por Mirthes, sem ao menos dar os devidos créditos.


A história de Mirthes Bernardes, era contada por mim em praticamente todos os nossos roteiros, pois o piso ainda está presente em muitos bairros. Eu costumava dizer: “talvez ela nunca receba o reconhecimento devido, mas eu como guia, faço a minha parte de revelar a artista por trás de um dos maiores símbolos de São Paulo”.


Mas faço aqui minha mea-culpa, pois 5 anos atrás, eu também não sabia sobre Mirthes, quem me contou sua história foi a seguidora, que se tornou amiga, @gomes_iraci.


O descaso com a memória de Mirthes Bernardes, me mostra o quanto é importante que eu continue meu trabalho de descobrir e revelar as histórias da cidade, além de dar dicas de lazer gastronomia e cultura.


Desejo que esse post, possa trazer um novo significado, para todas as vezes que caminharmos pela criação de Mirthes, uma das mulheres mais emblemáticas dentro do cenário urbanístico paulistano.